quarta-feira, 31 de agosto de 2011

Técnica promete impedir que mosquito da dengue transmita doença

Fonte: Google Imagens
O Brasil pode controlar a infestação da dengue com uma pesquisa pioneira da Universidade de Queensland, na Austrália. Cientistas descobriram que a bactéria Wolbachia pipientis pode impedir que o mosquito Aedes aegypti adquira o vírus da dengue.


Com a descoberta de que a bactéria se transmite sempre da mãe para os filhos, os cientistas resolveram infectar ovos em laboratório e espalharam para todo o grupo de mosquitos. O outro passo foi soltar os insetos com a Wolbachia na natureza e, como consequência, frear a transmissão da dengue.

Luciano Moreira, um dos pesquisadores, que é brasileiro, informou que os dois estudos foram feitos com cepas – subtipos – diferentes da bactéria. O primeiro trabalho realizado com a cepa wMelPop-CLA, atingiu o efeito desejado, porém os mosquitos tiveram piora em algumas funções, este foi então inutilizado.

Testou-se depois a experiência com bactéria Wolbachia, a cepa wMel. Desta vez, conseguiram bloquear o vírus da dengue e provocaram efeitos colaterais relativamente pequenos. Então, a equipe liderada por Scott O’Neill soltou na natureza mosquitos infectados e monitorou a presença da Wolbachia durante quatro meses.

O resultado saiu do laboratório e foi às ruas de Cairns, no nordeste da Austrália, região onde a dengue existe. Os pesquisadores escolheram dois pontos. No primeiro, a quantidade de mosquitos infectados beirou os 100% numa das populações e ultrapassou 80% na outra. 

Agora, o desafio dos cientistas é realizar os testes em regiões nas quais a dengue é um problema de saúde pública. Para o tutor do Portal Educação, farmacêutico, Ronaldo de Jesus Costa, usar um controle biológico é uma opção bem aceita no controle de vetores de doenças. 

“A bactéria Wolbachia pipientis é comum em insetos, estima-se que mais de 18% deles contém a bactéria no organismo. O que se deve cuidar, no entanto, é a capacidade de mutação apresentada pelas bactérias, de forma que as cepas selecionadas podem sofrem mutação e perder a capacidade inicial proposta, ou pior, começar a produzir efeitos indesejáveis ao ser humano”, explica Costa.

Um comentário:

  1. Evitar a proliferação da dengue depende de cada um de nós. Além de cuidar da sua casa, falar com seus vizinhos, manter contato com sua prefeitura sobre focos da doença, você pode utilizar esse espaço para conscientização.
    Seja parceiro do Ministério da Saúde na mobilização contra o mosquito da Dengue. Divulgue em seu blog nosso material. Entre em contato com comunicacao@saude.gov.br e solicite o selo, participe da campanha.
    Saiba mais: http://bit.ly/bMMVKT
    Siga-nos no Twitter: www.twitter.com/minsaude
Para mais informações: comunicacao@saude.gov.br ou www.formspring.me/minsaude

    ResponderExcluir

Postagens populares